sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Conto Gay: (AMIGO DA ONÇA)

        

  Nunca fui de namorar muito por sempre querer me dedicar aos estudos. Com 18 anos já estava no segundo período na faculdade de informática (computação gráfica) onde estou até hoje. Passei a morar num quarto em uma pousada mista. Na pousada nunca ouve proibição de um frequentar o quarto do outro; mesmo sendo de sexo diferente. Meu quarto constantemente tinha algum rapaz(es) ou moça(s). Participando do time de vólei da faculdade, tinha morando na mesma pousada o Paulão (21 anos – penúltimo ano de faculdade) e o Beto (23 anos - último ano) que mesmo em cursos diferentes passamos a ser muito amigos a ponto de frequentarmos um o quarto do outro. Nunca deixei transparecer, mas era quando terminava nossos treinos e íamos pra vestiário onde todos ficávamos pelados; que eu mais gostava.... Eu tinha um estranho prazer de ficar olhando aquele monte de picas; e também noção que eu era um rapaz bonito que chamava a atenção tanto de moças quanto de rapazes héteros, bi ou homossexuais... Mas procurava levar numa boa. Estava numa festa (sábado a noite) junto com o Paulão e o Beto quando comecei a me sentir estranho... Eu que nunca ingeria bebidas alcoólicas comecei a ver tudo em minha volta girando. Logo senti o Paulão e o Beto me segurando um de cada lado... Entramos num táxi e em poucos minutos estávamos na pousada e no meu quarto. Tinha noção exata de tudo que estava acontecendo; e um dos dois:
- Vamos tirar suas roupas pra lhe dar um banho Lauro... Daqui a pouco você vai estar bem melhor.
Era estranho que eu sentia tudo e via tudo nitidamente... Só meus nervos pareciam não querer me obedecer; nem minha voz saía. 
Só me dei conta quando já estava totalmente pelado e deitado de bruços sobre minha cama; ouvindo:
- Cacete Paulão; esse remédio é mesmo foda... O Lauro ficou apagadaço!
Senti um deles tocando na minha bunda e falando:
- Olha só que bunda... Ele além de bonito tem um traseiro lisinho de fazer inveja em muitas garotas.
Parece que foi o Beto que questionou de eu estar com os olhos abertos e o Paulão lhe respondeu que era normal; mas que eu não estava tendo noção de nada. Percebi eles me suspendendo pra colocar um travesseiro debaixo da minha virilha e em seguida um deles forçando algo sobre meu ânus... Não foi difícil mesmo no meu estado perceber que os dois filhos-da-puta iam comer meu rabo. Senti um pau duro (só podia ser) entrando no meu rabo e alguém fungando no meu cangote me dando beijinhos na nuca e gemendo até ficar parado despejando seu líquido dentro de mim; em seguida reconheci a voz do Paulão:
- Sai logo Beto... Estou louco pra meter nesse cuzinho!
Sabia que Beto tinha uma pica de tamanho normal; mas Paulão que tinha praticamente dois metros de altura (o mais alto do time) tinha uma vara que devia passar dos 20 cms... Só a grossura era quase normal. Ele enfiou tudo e ficou vários minutos socando e também bufando no meu cangote até também gozar no meu rabo. Só depois, é que realmente me levaram praticamente no colo pro banheiro e me colocando sentado em uma cadeira me deram um banho. Me voltaram pra cama e após me vestirem uma cueca se preparavam pra irem embora. Beto parecia estar arrependido do que eles tinham feito comigo avisou Paulão que ia dormir no meu quarto com medo de que acontecesse algo de ruim comigo. Não sei quanto tempo ainda fiquei lúcido; por várias vezes senti Beto colocando a mão próxima ao meu nariz... Talvez quisesse verificar se eu continuava respirando. Acordei ainda meio grogue tentando colocar meus pensamentos em ordem vendo Beto ainda dormindo na minha cama. Com o barulho ele acordou assustado e a primeira coisa que ele me perguntou se eu estava bem. 
- Mais ou menos... Ainda sinto meu corpo como se tivesse levado uma surra.
- Porra Lauro... Fiquei muito preocupado com você!
Enquanto conversávamos, ia pensando no que os dois tinham feito comigo sem que eu pudesse reagir... Resolvi, já que eles pensavam que eu tinha ficado totalmente sem noção, fingir que não sabia de nada do que tinha acontecido; ele:
- Ainda deve ter café na cantina... Vamos descer; você se alimentando vai se sentir melhor!
Eu que tinha transpirado muito durante a noite, disse que ia tomar um banho e Beto mais que depressa me perguntou se ele podia me ajudar. O estranho era que apesar de saber exatamente o que eles fizeram comigo não conseguia sentir raiva dos dois... E como ainda estava bastante debilitado aceitei. Ao tirar minha cueca percebi ela um pouco suja de esperma. Fiquei meio sem jeito vendo que Beto foi tirando toda sua roupa... Ele sorrindo:
- Assim fica melhor pra eu poder te ajudar no banho!
Beto também era um belo de um rapaz: 1,85 mt e +- 75 kg... Olhando pro seu pinto lembrei que tinha sido ele o primeiro a enfiar na minha bunda. Pensei até em impedir quando ele pegou a esponja e começou a passar pelo meu peito; mas, novamente algo que não sei explicar me fez deixar... Fui ficando de pau duro e percebendo que ele também estava ficando excitado; até ele chegar e segurar meu pau passando suavemente a esponja.
- Sabe que eu sempre gostei de te ver pelado lá no vestiário?
- Ah é? Gosta também de ver o Paulão? - Perguntei.
Estava adorando sentir a mão dele segurando meu pau... E ele sem largar:
- É só de você que eu gosto Lauro... Você é o mais bonito de todos!
Se não soubesse que ele tinha comido minha bundinha horas atrás, podia até pensar que ele era um viado e que estava querendo me dar a bunda... Coloquei minhas mãos nos seus ombros e olhando bem pra ele que continuava segurando minha pica dura.
- Não estou entendendo Beto... Está querendo me pedir alguma coisa?
- Ah Lauro... Tenho medo que fique com raiva de mim!
- Está me deixando curioso... Fala logo; fala!
Ele largou do meu pinto pra colocar suas mãos nas laterais da minha cintura.
- Acho que estou apaixonado por você!
Realmente fiquei um pouco surpreso... E foi aí que resolvi contar que tinha sentido tudo e visto tudo o que eles fizeram comigo enquanto estava totalmente grogue. Foi a vez dele ficar surpreso e começar a pedir pra que eu lhe perdoasse... Contou que foi um comprimido que eles colocaram de propósito no meu guarana; ideia do Paulão que também sentia um forte desejo por mim. Questionei, já que ele dizia apaixonado por mim aceitar que o Paulão participasse e também fizesse sexo anal em mim.
- Me perdoa Lauro... Fiquei muito arrependido e confesso que senti muito ciúmes vendo o Paulão fazendo aquilo com você.
- Tudo bem Beto... Mas não fala pro Paulão que eu sei de tudo que aconteceu; tá?
- Ok Lauro... Mas posso ganhar um abraço?
Eu o abracei, e me sentindo cada vez melhor fui fazendo carinho nas suas costas e ele nas minhas... Senti um estranho desejo e dei um jeito de levar minha mão e segurar seu pau... Beto descendo a mão e passando na minha bunda.
- Você deixa eu te dar um beijo?
Disse que sim, e confesso que fiquei todo arrepiado quando ele segurou meu rosto com as duas mãos e encostou seus lábios nos meus... Tinha achado que seria apenas um beijo no rosto. Mas Beto, deixou só uma das mãos atrás da minha nuca e voltando a me beijar com a outra mão começou a movimentá-la no meu pinto... Voltei também a segurar seu pau, e num beijo longo ficamos; meio que de lado, um punhetando o outro. Gozei primeiro, e ainda sendo beijado passei a movimentar minha mão na piroca dura do Beto cada vez mais rápido até ele também gozar. Depois, rimos muito e resolvi pedir pra que ele não contasse nada daquilo pra ninguém; principalmente pro Paulão. Estávamos na cantina quanto Paulão chegou todo desconfiado; mas como eu e Beto agíamos naturalmente ele pareceu acreditar que tudo estava normal. Quando eu e Beto ficamos novamente sozinhos, pedi que ele fosse mais tarde no meu quarto ressaltando que era pra ele não deixar ninguém vê-lo entrando. Umas seis horas da tarde, Beto chegou e logo ganhei um gostoso beijo na boca... Fui ajudando-o a tirar suas roupas e nem bem ficamos pelados quando ouvimos baterem na porta. Era domingo e a maioria dos moradores da pousada que tinham viajado pras suas casas começavam a chegar... Procuramos ficar em silêncio como se não tivesse ninguém no quarto. Deitamos na cama e entre um beijo e outro falando bem baixinho:
- Quer comer minha bunda Beto; quer?
- É o que eu mais quero Lauro!
Fiquei de quatro e logo comecei sentir a pica do Beto entrando pra dentro do meu cuzinho... Foi uma sensação tão gostosa que me arrependi não dar dado minha bunda a mais tempo. Mesmo evitando fazermos barulho, eu e Beto gemíamos baixinho com ele socando seu pau na minha bunda cada vez mais rápido e mais forte... Era a terceira vez que eu tinha um pau enfiado no meu rabo; mas era a primeira vez que senti todo o prazer até quando Beto começou gozar. Fui rapidamente pro banheiro, e Beto debaixo do chuveiro novamente segurou meu pau duro e me masturbou gostoso beijando mais minha boca. Na segunda a noite, tive que dizer que estava com sono pra que alguns amigos saíssem do meu quarto... Beto entendeu, e também saiu voltando sorrateiramente entrando novamente.... Novamente ele meteu gostoso no meu cuzinho até gozar. Mas foi no chuveiro que fui ter uma gostosa surpresa... Beto agachou, e segurando meu pau começou a mamar chupando desde o saco até a cabeça onde ele lambia bastante antes de voltar e colocar tudo dentro da boca. Gozei muito e Beto após beber toda minha porra levantou e me beijou com sua boca ainda toda suja de porra. Dois dias depois, estávamos novamente prontos pra mais uma trepada quando Beto ficando de joelhos sobre a cama.
- Chupa um pouquinho meu pau Lauro; chupa!?
Comecei achando que não ia gostar; mas logo nas primeiras chupadas fui vendo que era tão gostoso quanto dar a bunda... Vibrei sentindo sua porra sendo espirrada na minha garganta. 
Sempre tínhamos que dar um jeito de ficarmos sozinhos no meu quarto ou no quarto de Beto pra ele meter no meu cú... Só não imaginávamos que Paulão andava ficando cada vez mais desconfiado de nós dois. Uns três meses depois, Beto veio me falar que Paulão já tinha certeza absoluta que ele estava me comendo, e que nada falaria desde que também eu desse pra ele.... E foi o próprio Beto que um dia veio me pedir pra deixar o Paulão comer meu cú; só fez duas exigências: de que ele tinha que estar junto e que eu nunca beijasse o Paulão na boca. Dois dias depois, Beto e Paulão chegaram juntos no meu quarto... Fiquei um pouco constrangido pois sabia que eu ia dar pro Paulão na frente do Beto que eu considerava meu macho. Beto me levou pro banheiro e me enchendo de carinhos foi tirando toda minha roupa novamente pedindo pra que eu não beijasse o Paulão na boca. Beto igual a um marido que queria ser corno, me fez sair pelado do banheiro e ir ficar de quatro sobre a cama. Quando vi Paulão arriando a calça mostrando seu enorme pau duro senti que ia adorar levar aquela pica no cú. Após um pouco de saliva, Paulão me travando pela cintura foi empurrando lentamente seu pau em mim. Quando virei meu rosto e vi que Beto sorria vendo o Paulão atochando sua vara resolvi que não precisava segurar meus gemidos.
- Mete mais forte Paulão... Aaaai! Aaaai!... Iiiiisssso; arromba meu cuzinho!
Beto vindo ficar na minha frente sacando seu pau que também estava duríssimo.
- Caralho Lauro... Você é muito viado mesmo né? Tá me deixando com muito tesão... Chupa aqui; chupa!
Abocanhei aquele pau gostoso, e no ritmo que Paulão socava seu pau fazendo meu corpo balançar pra frente e pra trás meus lábios deslizavam na pica do Beto... Quando Paulão depois de me dar várias socadas ficou só me segurando pela bunda e parado.
- Aaaaah! Aaaaah! Tôoooooo gooooozannnnnnnndo!
Beto logo em seguida enchendo minha boca de porra.
- Oooooooooh caralho.... Eu também!....
Os dois entraram em um acordo de que eu era a mulherzinha do Beto, mas que ele ia deixar Paulão me comer de vez em quando... Eu e Beto passamos a dormir sempre juntos (no meu quarto ou no dele); e ele, parecia sentir muito prazer em ficar olhando o Paulão me fodendo e depois também participar. No ano seguinte Beto terminou a faculdade e teve que retornar pra sua cidade... Foi difícil pra nós dois nosso rompimento. Passei a ter somente o Paulão pra comer meu rabo e me dar sua enorme vara pra chupar. Mais um ano e novamente me vi tendo que despedir daquele que me dava prazer na cama... Paulão também se formou e teve que voltar pra sua cidade. Fiquei na secura por uns 4 meses. Um de meus professores na faculdade chamado Evaldo (o nome é apenas parecido): moreno; 49 anos e casado ficou na cidade num final de semana e me encontrando na rua veio me perguntar se eu tinha um computador no meu quarto na pousada, pois ele precisava pegar e imprimir alguns artigos pras aulas da segunda-feira. Ele teve que ficar por mais de 3 horas no meu computador e num determinado momento resolvi tomar meu banho... E foi me vendo pelado no banheiro com um homem ali no meu quarto que comecei a pensar que precisava pelo menos tentar. Saí pelado e com uma toalha me enxugando me aproximei do computador ficando do lado olhando pra tela... Quando percebi que Evaldo me deu uma xavecada, como que distraído virei de costas pra ele e fiquei parado enxugando meus cabelos... Não demorou nem um minuto:
- Não vai ficar chateado comigo Lauro... Mas você tem uma bunda muito bonita!
- Porque eu ficaria chateado professor? Eu gosto quando um homem me faz um elogio!
Parece que ele logo pescou minha insinuação:
- A é? Então vou virar um fã da sua bunda!
- Nossa professor!!??? Desse jeito vou pensar que você está gostando da minha bunda!
- Perdão Lauro... É que faz muito tempo que estou longe de casa; você entende né?
Voltei a me aproximar da cadeira onde ele estava sentado e na maior cara de pau virei novamente a bunda na sua direção:
- Claro que eu entendo professor... Quer passar a mão na minha bunda? Eu deixo!
Ele foi com as duas mãos nas minhas nádegas:
- Nossa... É maravilhosa!!!!!
Ele após me apalpar muito e dar alguns beijinhos da minha bunda:
- Porra Lauro; você está me deixando muito excitado!
Rapidamente me virei e fui agachando entre suas pernas:
- Deixa eu ver como está professor... Quem sabe eu posso fazer alguma coisa?!
Ele rapidamente abriu sua calça e colocou pra fora uma pica grossa e cabeçuda... Segurei, beijei, lambi e abrindo o máximo minha boca iniciei um gostoso boquete:
- Caralho Lauro... Como você chupa bem... Vai! Continua!...
Dois minutos depois:
- Para Lauro... Para que eu quero comer sua bundinha!
Fui pra cama ficando de joelhos com minha bunda virada pra que ele de pé pudesse alcançá-la com seu pau:
- Vem professor... Mete na minha bunda!
Ele me deu uma cagada que seu pau entrou todo numa só socada... Logo passou a socar com extrema violência como seu pinto fosse uma britadeira me furando. Ainda bem que eu tinha minha toalha próxima das minhas mãos... Ele me socou tão gostoso que mesmo sem colocar a mão no meu pau comecei a gozar... E depois de mais algumas pirocadas ele ficou parado enchendo meu rabo com sua porra. Ganhei mais um amigo interessado em me foder constantemente. Ele que tem suas aulas nas segundas-feiras chega sempre na cidade no domingo a tarde e fica numa pensão... Estou indo todos os domingos na pensão pro meu professorzinho me foder gostoso com seu grosso pauzão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário